Adiante!

Aberração máxima até a Singularidade da Esquerda

Isso foi completamente inequívoco. Obama realmente se provou ser o FDR dessa volta do giro. Nate Silver e Paul Krugman foram vingados. O New York Times é o evangelho da era. O conservadorismo foi esmagado e humilhado. O pedal do freio foi jogado pela janela. Agora não dá mais para parar.

No dia antes da eleição, o Der Spiegel descreveu “os Estados Unidos como um país que não entende os sinais dos tempos e que tem quase deliberadamente — indo na contramão de todo o conhecimento científico — escolhido ser retrógrado”. Para os autores da redação da revista, o problema era inteiramente simples. “O ódio de um governo grande alcançou um nível nos Estados Unidos que ameaça a própria existência do país”. Forças regressivas estavam impedindo o progresso do país ao recusar entender a óbvia identidade entre o Leviatã e o avanço social. Agora deveria ser óbvio para todo mundo – mesmo para os partidários carbonizados do Tea Party, resmungando em estado de choque nas ruínas – que a democracia americana contemporânea fornece todo o ímpeto necessário para afastar tal obstrucionismo. O Estado é Deus, e todos devem ser curvar à sua vontade. Adiante!

Com a ascensão do Governo dos EUA, uma nova pureza é alcançada, e um experimento fantástico (e Titânico) progride a um novo estágio. Não é mais necessário entrar em controvérsias com o detrito despedaçado da direita, daqui em diante tudo que importa é o teste de força entre a motivação política concentrada e a obstinação da própria realidade. O que seria dizer: a resistência final a ser superada é a ideia insolente de um princípio de realidade, ou exterior. Assim que não mais existir qualquer forma das coisas que exista independentemente do desejo soberano do Estado, a Singularidade da Esquerda será alcançada. Esta é a promessa escatológica que canta seus aleluias em todo peito progressista. Ela se traduz perfeitamente para o canto coloquial: sim, podemos!

Claro, é preciso entender claramente que “nós” – agora e daqui para frente – significa o Estado. Através do Estado, nós fazemos qualquer coisa e tudo, que podemos, se não realmente, então pelo menos verdadeiramente, como prometido. O Estado é ‘nós’ como Deus. Hegel já tinha visto tudo isso, mas foi necessário sistemas educacionais progressistas para generalizar a compreensão. Agora nossa época chegou, ou está chegando. Todos juntos agora: sim, podemos! Nada além de um frágil realismo reacionário está em nosso caminho, e isso é algo para fora do qual podemos ser educados (sim, podemos). Fomos! Veja nossos destruídos inimigos espalhados em completa devastação diante de nós.

O mundo deve ser como queremos que ele seja. Certamente.

Original.

Aleatoriedades sobre a Redecoração o Regime

Qual sortudo vai ficar com a culpa?

Aqui em Shanghai, recebemos os resultados da eleição presidencial dos EUA na quarta-feira de manhã, fazendo desta a última chance de se aventurar em previsões incautas. Quem vai conseguir se apoderar do cálice envenenado e assumir a responsabilidade pelo colapso financeiro dos Estados Unidos da América?

Sinta o ódio. A negatividade reina suprema nessa eleição, com motivações opositivas ou defensivas quase totalmente purificadas de contaminação positiva. De acordo com a The Economist, anúncios políticos negativos representaram inéditos 90% do total. As palavras do comentador Subotai Bahadur no PJ Media destilam o sentimento perfeitamente: “Romney não era minha primeira, segunda ou terceira escolha, mas eu me rastejaria sobre vidro moído para votar nele”. A ser ternamente relembrada como a ‘eleição do vidro moído‘.

O Caminho da Salamandra. O Urbano Futuro não está inclinado a ridicularizar o mormonismo como esquisito (ser esquisito é o propósito das religiões), mas por certo há implicações culturais significativas na inauguração de um presidente mórmon em uma época incomumente apocalíptica. A fé mórmon é a versão de ficção científica da religião abraâmica, estendendo uma ponte evolutiva do homem até Deus – um caminho de divinização prática. Nenhuma surpresa, então, em se descobrir que há uma Associação Transhumanista Mórmon. Quando combinada com a irreverência que se prende a qualquer administração decadente e destruída pelo caos, poderia ficar seriamente divertido… mas aí perderíamos a versão clássica da Catedral II (O Retorno dos Clérigos), substituída por um remake estranho. Os eleitores precisam escolher seu sabor de vidro moído com cuidado.

Motivo do profeta. No Zero Hedge, teórico dos ciclos geracionais de Strauss & Howe, Jom Quinn, se agarra ao tema apocalíptico. Ele argumenta que – à beira do ‘Quarto Giro’ – a idade de Mitt Romney, que o coloca na ‘geração dos profetas’, faz com que ele tenha chances de liderar a superpotência global ao Armagedom (então temos isso pelo que esperar).

Previsões incautas?

(1) Descontar a desonestidade sistemática da mídia aponta para uma vitória substancial de Romney.

(2) Vencer essa vai ter sido a coisa mais estúpida que o partido estúpido jamais fez.

Original.

Anarquia na Velha Direita

Sobre aquela cadeira vazia…

No The American Conservative, a Velha Direita tem expressado seu fumegante desalento com os prospectos políticos do país através de um ataque de paralisado dissenso.

Os 29 membros do simpósio do TAC se dividiram bastante igualmente entre (o Democrata) Barack Obama, (o Republicano) Mitt Romney e (o Libertário) Gary Johnson. Cada um reúne quatro compromentimentos definitivos, com Andrew J. Bacevich, Leon Hadar, Scott McConnell, e Noah Millman a favor de Obama; Marian Kester Coombs, James P. Pinkerton, Stephen B. Tippins Jr., e John Zmirak a favor de Romney; e Doug Bandow, Peter Brimelow, Scott Galupo, e Bill Kauffman a favor de Johnson.

Philip Giraldi sintetiza o espírito de obstrução anti-neoconservadora com suas intenções eleitorais declaradas, oscilando entre um voto a favor de Johnson, uma inserção de Ron Paul, ou uma escolha em favor de Obama para esterilizar Romney, se a disputa for apertada. James Bovard também está dividido entre Johnson e uma inserção de Ron Paul (mas sem menção de uma opção anti-Romney a favor de Obama). Como Johnson, Romney conseguiu dois ‘talvez’ adicionais (de W. James Antle III e Bradley J. Birzer). Virgil Goode do Constitution Party reúne apenas um apoio sólido (Sean Scallon). Há também uma inserção de Rand Paul (Daniel McCarthy) e quatro indecifráveis (Jeremy Beer, Rod Dreher, William S. Lind, e Steve Sailer).

O vencedor decisivo entre os autores do TAC, contudo, é Ninguém, apoiado por sete abstenções inequívocas (Michael Brendan Dougherty, David Gordon, Robert P. Murphy, Justin Raimondo, Sheldon Richman, e Gerald J. Russello) e provavelmente uma oitava (Paul Gottfried, equilibrado na borda democraticamente abstêmia dos indecifráveis).

Talvez questões como esta estejam azedando o humor.

Por quê não optar pelo melhor negócio?

Original.

A Tentação do Vazio (Parte 3b)

Ameaça no oeste

Reconhecendo a vantagem inicial obtida pelos soviéticos com seus grandes motores de foguetes, o que lhes dá muitos meses de tempo de dianteira, e reconhecendo a probabilidade de que eles explorarão essa dianteira durante algum tempo por vir em sucessos ainda mais impressionantes, não obstante é necessário que façamos novos esforços próprios. Pois, embora não possamos garantir que um dia seremos os primeiros, podemos garantir que qualquer falha em fazer esse esforço nos fará sermos os últimos. Assumimos um risco adicional, ao fazê-lo à vista de todo o mundo, mas, como demonstrado pelo feito do astronauta Shepard, esse risco aumenta nossa estatura quando somos bem-sucedidos. Mas isso não é meramente uma corrida. O espaço está aberto para nós agora; e nossa ânsia de compartilhar de seu significado não é governada pelos esforços de outrem. Nós vamos para o espaço porque o que quer que a humanidade deva empreender, os homens livres devem compartilhar plenamente. (…) Acredito que esta nação deve comprometer-se a atingir o objetivo, antes que esta década termine, de pousar um homem na Lua e trazê-lo de volta à Terra em segurança.
John F Kennedy

“The Bow of Ulysses” [de James Anthony Froude]… endossa o velho colonialismo, relembrando nostalgicamente dos dias em que a Grã-Bretanha não era um império, mas sim em que os colonialistas britânicos eram piratas e bandoleiros, que roubavam, conquistavam e eventualmente governavam, gradualmente fazendo a transição de uma bandidagem móvel para uma bandidagem estacionária, sem que o governo britânico prestasse muita atenção. Em “The Bow of Ulysses”, Froude condena o imperialismo do século XIX como impraticavelmente de esquerda, e inevitavelmente levando à destruição do império britânico e, assim, à ruína dos súditos do império britânico, tudo que se seguiu como ele imaginou… Os imperialistas, aqueles que defendiam o Império Britânico, eram a esquerda, e os colonialistas eram a direita. E os colonialistas corretamente previram que se isso continuasse, teríamos a esquerda que temos agora – um dos muitos fatos estranhos que se encontra quase se lê livros antigos.
James A Donald

As peculiaridades da ‘corrida espacial’ ainda estão por se desenrolar totalmente. Através de sua extraordinária formalidade, que reduz as ambições extraterrestres a um binário, a concorrência internacional colocou o primeiro homem na Lua, ela parece – restrospectivamente – dever mais à cultural e à história dos esportes organizados do que a realizações tecnológicas e econômicas. Haveria, por definição, um vencedor e um perdedor, ou seja, uma decisão booleana, convencional e indiscutível. E então ela acabaria. Talvez ela fosse vista como se apontasse para algo além, mas, na verdade, a Lua era uma linha de chegada.

Dentro de um contexto geo-estratégico amplo, a corrida espacial era um sintoma de um impasse. Uma história moderna da guerra que havia descendido de maneira inexorável de um jogo restrito de príncipes até uma guerra total desencadeada, em meio a povos ideologicamente motivados, tendo como alvo suas instituições básicas, suas infraestruturas industriais e até mesmo raízes demográficas, havia se consumado – virtualmente – no potencial MAD para um extermínio rápido e recíproco. Sob essas circunstâncias, uma sublimação regressiva era exigida, transmitindo conflitos através de representantes cavalheirescos – até mesmo heróis homéricos – que competiam em nome das populações super-letais que eles aplacavam. O vôo de um astronauta simbolizava um antagonismo, substituindo um ataque nuclear. Neste sentido, a vitória na corrida espacial era um pagamento adiantado mal disfarçado da conclusão da Guerra Fria.

Essa sublimação é apenas metade da estória, contudo, porque um duplo deslocamento ocorreu. Ao passo em que a corrida espacial substituição um resultado militar por um desenlace formal (cavalheiresco), ela também marginalizou o prospecto há muito vislumbrado da colonização espacial informal, substituindo-o por um objetivo predominantemente convencional (ou sócio-político). O preço de um triunfo inequívoco foi um ‘triunfo’ que recaiu na real ambiguidade de um (mero) simbolismo, com tentações de negação da realidade, pós-modernismo e ‘fraude lunar’ já surgindo. Quando não se ganha nada além da vitória, dificilmente poderia ser de outra forma. Um campeão não é um colono, ou qualquer coisa próxima de um.

Qual é essa ambiguidade real? Ela começa na fronteira, com uma série de questões que vão além do significado da corrida espacial e para dentro da identidade da América. Como um país estabelecido dentro da época moderna e, assim, exaustivamente determinado pelas dinâmicas do colonialismo, a América foi condensada a partir de uma fronteira.

Em um parêntese estendido, vale a pena notar explicitamente que a população aborígene do continente ainda não era a América, mas algo anterior e outro, encontrado na fronteira. A ideia de um ‘Nativo Americano’ é um exercício de desorientação histórica, quando não é meramente um oxímoro impensado. Isso não é sugerir que essas populações eram incapazes de se tornar americanas, como muitas fizeram, uma vez que a América tivesse se iniciado no período moderno. Ao inovar modos distintivos de secessão, elas eram até mesmo – em certos casos – capazes de se tornarem radicalmente americanas. Um cassino numa reserva em fuga institucional da Receita Federal é vastamente mais americano do que o Federal Reserve, em um sentido que (com sorte) se tornará evidente.

A fundação da América foi uma fuga para a fronteira, estendendo uma trajetória de escapada para dentro de um espaço que perpetuamente recua, ou um horizonte aberto – o futuro tornado geografia e apenas subsequentemente um território político. Esse projeto espacial original, informal e inerentemente obscuro é tão antigo quanto a própria América – exatamente tão antigo. Como Frederick Jackson Turner já havia observado em 1893, para a América, uma fronteira aberta é uma necessidade existencial, ou seja: a condição básica da existência americana. Uma vez que a fronteira fecha, os limites assumem, a excepcionalidade se transforma em retórica insubstancial (ou pior, em seu fac-símile neoconservador) e começa a necrose.

Nesse aspecto, a América não pode ser mantida como um estado com um programa espacial. Ela requer um horizonte aberto, estendido para além da terra se necessário, suficiente para sustentar um prolongamento de seu processo colonial constitutivo. Apenas sobre e a partir dessa fronteira é que a América tem um futuro, embora ‘os EUA’ possa persistir (mais) confortavelmente sem ela. É por isso que, por baixo, ao lado e além da corrida espacial, o ‘mito’ da fronteira se estendeu espontaneamente para panoramas extraterrestres considerados como um prospecto essencialmente americano. (A NASA e suas obras são bastante incidentais a isso, na melhor das hipóteses.)

Uma vez que esta alegação convida acusações de controvérsia gratuita, vale a pena revisitá-la, em um passo mais lânguido. Mesmo depois de reenfatizar que a América não é o mesmo que – e, com efeito, é quase o exato oposto de – os EUA, objeções óbvias se apresentam. O programa espacial russo não é o mais economicamente plausível do mundo? A curva ascendente da atividade espacial chinesa recente não é vastamente mais exuberante? As Nações Unidas não reivindicaram os céus em nome de uma humanidade comum? O que, além de um acidente cultural-histórico e da arrogância injustificada que dele decorre, poderia imaginavelmente fazer ‘um prospecto essencialmente americano’ do espaço sideral?

O contraponto a todas essas objeções é o colonialismo, entendido através de sua linhagem radical, excepcional e americana. O colonialismo desta variedade derradeira se consolida a partir da fronteira e passa por limiares revolucionários de um tipo muito específico: guerras de independência, ou secessão (em vez de mudanças abrangentes de regime) que são pró-coloniais (em vez de anti-coloniais) em natureza. A colônia, enquanto colônia, se separa e, ao fazê-lo, cria uma nova sociedade. Exemplos bem sucedidos de tais eventos são extremamente raros – até mesmo singulares, ou excepcionais. Há a América e aí existem ‘causas perdidas’, com uma sobreposição considerável (e cada vez maior) entre elas.

O que tudo isso tem a ver com o espaço sideral, para além de um analogia impressionista? A gravidade consolida a conexão. Dividindo a superfície da terra e o espaço extraterrestre há uma diferença efetiva, ou problema prático, que pode bastante precisamente ser quantificada em termos tecnológicos (razões entre combustível e carga útil entregável) e resumida economicamente. Para fins de comparação, o transporte de mercadorias pelo Pacífico custa US$4/kg (por via aérea) ou US$0,16/kg em navios oceânicos porta-contêineres (US$3.500 por TEU, ou 21.600 kg). Alçar 1 kg de carga até a Órbita Baixa da Terra (OBT), em forte contraste, custa mais de US$4.000 (era mais de US$10.000 nos ônibus espaciais). Chame-a de a Fenda: um imenso problema estrutural de reabastecimento, que incentiva a auto-suficiência econômica com uma força esmagadora. Cada quilograma de produção extraterrestre economizou US$4.000 antes que mais cálculos sejam iniciados. Lá fora no espaço, a Fenda é o ponto de partida: uma realidade fria e anti-umbilical.

Qualquer que seja o ímpeto colonial histórico para o jeito americano – separação e refundação social – ele é reforçado em ordens de magnitude na OBT e além. Este é um ambiente que poderia ter sido projetado com precisão para o colonialismo revolucionário, como os autores de ficção científica há muito reconheceram. No outro lado da moeda jaz uma conclusão mais obviamente explicativa: Uma vez que desenvolvimentos para além da Fenda são inerentemente incontroláveis, não há nenhuma motivação prontamente discernível para que agências político-econômicas terrestres financiem a emergência de sociedades exo-planetárias que estão em uma correia transportadora irresistível até a independência, enquanto consomem recursos de maneira voraz, abrindo uma via de escape e, em última análise, lançando as fundações vazias para uma civilização concorrente de um tipo radicalmente sem precedentes e, portanto, ameaçadoramente imprevisível.

Segue-se, claramente, que a política do status quo sobre a colonização espacial é quase completamente expressada pela colonização espacial não acontecendo. Quando entendida em relação à subcorrente eclipsada da analogia da fronteira – fissão social através do colonialismo revolucionário ou guerras de independência – o ‘fracasso’ em emergir dos projetos de colonização espacial em grande escala começa a parecer algo completamente diferente: uma determinação eminentemente racional por parte dos estados territoriais mais poderosos do mundo para inibir o desenvolvimento de potenciais sócio-tecnológicos caracterizados por uma tendência ‘americana’ (colonial revolucionária).

Claro, em um mundo que se familiarizou com declarações anticolonialistas e antiimperialistas intercambiáveis, os termos dessa análise (de Froude / Moldbug / Donald) são inicialmente desconcertantes. Quando separado das confusões e fusões de uma periferia perturbada, no entanto, o padrão é convincente. Colonos estão, por sua própria natureza, em fuga da metrópole. É menos do que um único passo entre essa admissão e o reconhecimento de que eles tendem à independência de ação, fissão social e desintegração política, seguindo tendências que os imperialistas – com igual inevitabilidade – buscam cercear. Uma vez que a colonização, entendida de maneira estrita, é uma transplantação cultural e demográfica, ela só adquire seu sentido de expansão quando é restringida sob auspícios imperiais. Embora colonial e rebelde não estejam nem perto de serem expressões sinônimas, elas são, não obstante, mutuamente atraídas uma pela outra, em uma proporção quase direta à divisão que separa a colônia da metrópole. Um empreendimento colonial é uma rebelião do tipo mais prático e produtivo, seja redirecionando uma rebelião do tempo para o espaço ou se completando em uma rebelião que transforma uma expedição em uma escapada. Desde o triunfo do imperialismo sobre o colonialismo na segunda metade do século XIX, é apenas na (e enquanto) América que esse sistema de relações persistiu, tenuemente, e em grande medida ocultado pelo surgimento de um estado imperial.

É útil, então, diferenciar em princípio (com uma excitabilidade moral mínima) entre um projeto espacial colonial, orientado a assentamentos extraterrestres, e um programa espacial imperial, projetado para garantir o controle terrestre sobre o desenvolvimento exo-planetário, manter a integridade política e, assim, assegurar retornos sobre os investimento através da Fenda. Da perspectiva do estado territorial, um programa espacial (imperial) que extraísse valor econômico de além do poço de gravidade da terra seria ideal, mas esta é uma ambição sem o apoio dos mais vagos lampejos de precedente histórico (e obstruída por pelo menos quatro ordens de magnitude de golfo econômico abismal). O segundo melhor e bastante satisfatório é a simples prevenção de projetos espaciais coloniais, substituindo o teatro espacial político como uma alternativa cara (mas de baixo risco e acessível). O ocasional homem na lua não apresenta nenhuma grande ameaça para a ordem do mundo, contando que tratemos de “trazê-lo de volta à Terra em segurança”.

A América foi uma escapada do Velho Mundo, e esta definição é suficiente para descrever o que ela ainda é – na medida em que ela ainda o for – tanto quanto o que ela pode ser, tudo que ela pode ser e o que qualquer escapada do novo velho mundo – se precisamente denominada – também seria. Quando esboçada pelas sombras do iluminismo sombrio, a América é o problema que os EUA foi projetado para resolver, a porta que os EUA fecha, o nome próprio de uma sociedade nascida da fuga.

Como Nietzsche nunca disse exatamente: Sou entendido? A América contra as estrelas e listras…

Original

A Tentação do Vazio (Parte 3a)

Existem duas questões relacionadas apresentadas pela exploração humana. Primeiro, há algo economicamente útil para se fazer lá fora que pague sua viagem? E, segundo, você consegue viver do solo e usar recursos locais para sobreviver, ou estaremos sempre amarrados ao sustento vindo da Terra? Se a resposta a ambas for sim, então você tem colônias espacias, vida auto-sustentável fora do planeta. Se a resposta a ambas for não, então o espaço é como o Monte Everest. Turistas podem ir ao Monte Everest, os sherpas podem ganhar a vida com isso, mas ninguém realmente vive lá. Se a resposta é que você pode viver da terra, mas não é economicamente útil, é como a Antártica. Foram 40 anos entre a última vez que estivémos lá, quando Shackleton alcançou a Antártica e quando a Marinha dos E.U.A. voltou em 1912. Há um lapso similar entre ir à Lua pela primeira vez e, com sorte, quando retornaremos. Nesse caso, você pode formar um posto avançado e viver lá, mas você é sustentado por um financiamento constante, uma vez que a engenharia não se paga. Se a resposta é que existem coisas economicamente úteis para se fazer, tais como minerar hélio-3 na Lua, mas somos sempre dependentes da Terra para as necessidades básicas, então o espaço se torna uma plataforma de petróleo no Mar do Norte. Você pode fazer dinheiro lá, mas será sempre um ambiente hostil. Esses são quatro futuros humanos radicalmente diferentes. E eles são todos parte de uma questão mais ampla: Há um futuro humano para além da Terra? É uma questão que está no mesmo patamar de se existe vida inteligente em outros lugares no universo. Podemos procurar vida com sondas e telescópios, mas para determinar o alcance de vida da humanidade, teremos que mandar seres humanos para o espaço.
Scott Pace

Qual deveria ser a carga útil? Não importa. Esse é o ponto. Não se trata de levar uma carga útil ao espaço: isso é quase irrelevante. Trata-se de garantir um mercado para as empresas que oferecem serviços de lançamento para fazer as coisas funcionarem. Estou falando totalmente sério. Se não pudéssemos pensar em nada melhor para lançar, blocos de concreto estariam de bom tamanho. Minha filosofia é: Lançar qualquer coisa é bom. — Paul Almond

A base material para um futuro espacial não está apenas encalhada no espaço, mas também encalhada no tempo. Não apenas os recursos gravitacionalmente liberados a partir dos quais ele se montaria estão espalhados ao longo de imensidões intimidantes de distância vazia, mas o limiar em que tudo começa a se juntar – em um economia extraterrestre autocatalítica – está separado do mundo de incentivos presentes e práticos por golfos pavorosos de perda incalculável. Em uma variante da antiga piada, se sair do planeta é a meta, um planeta é absolutamente o pior lugar de onde se partir. “Eu posso lhe dizer como chegar lá”, o local prestativamente observou. “Mas você não deveria começar aqui.”

Estar lá fora poderia rapidamente começar a fazer sentido, contanto que já estivéssemos lá. Experimentar com essa mudança de perspectiva torna o impulso animador mais claro. De forma mais reveladora, isso expõe o quão profundamente os planetas sugam, de modo que simplesmente não estar em um vale quase qualquer coisa. Esse é o fim do jogo, a estratégia final, que organiza tudo, em última análise, com a anti-gravidade como chave.

Uma vez que a gravidade seja percebida como o arquétipo natural do aprisionamento, que te mantém em algum lugar, quer você queira estar lá ou não, as motivações econômicas terrestres para a expansão exo-planetária são reveladas em sua falsidade fundamental. A razão para se estar no espaço é estar no espaço, liberado da sucção planetária, e quaisquer benefícios para os habitantes da Terra que possam se acumular no caminho são meros trampolins. Recursos exo-planetários desviados para a superfície da Terra são, no esquema espacial definitivo, despediçados ou, pelo menos, estrategicamente sacrificados (uma vez que tal desperdício quase certamente é necessário no ínterim). Na análise final, o valor de qualquer coisa que seja é degradado em proporção direta às influências gravitacionais exercidas sobre ela, e a descida dos céus é uma queda.

Uma visão mais ampla sobre o desenvolvimento cosmológico aguça a resolução (embora isso exija que as inestimáveis compreensões de Smart sejam deixadas estritamente de lado, e os buracos negros sejam evitados com o máximo de parcialidade). Escale em avanço rápido até que o processo de escapada extraterrestre tenha sido substancialmente realizado, aí congele as telas. Fugir da gravidade agora pode ser visto como não mais que o primeiro passo em uma disputa mais completa e antagonista com a gravidade e suas obras. Asteroides e cometas estão sendo pulverizados, minerados ou furados até virarem esponjas, deixando luas, planetas e o próprio sol como problemas locais de interesse. Tais corpos são ‘problemas’ porque eles deformam o espaço com poços de gravidade, que prendem recursos, mas seu status enquanto obstáculos ao desenvolvimento pode ser ainda mais abstraído. Esses mundos, pelo menos parcialmente isolados do emergente commercium do espaço profundo por sua própria massa, foram moldados pela gravidade em esferas aproximadas, o que seria dizer – da perspectiva do desenvolvimento – nas piores formas que são matematicamente possíveis, uma vez que elas minimizam a razão entre superfície (reativa) e volume e, assim, restringem a acessibilidade aos recursos na maior medida concebível. Bem lá fora, no espaço e no futuro profundos, o impulso de desenvolvimento emergente fica totalmente Vogon e as demole completamente.

Quando vistos de fora, planetas são cemitérios, onde minerais preciosos estão enterrados. Ao cavar pelo manto da Terra, por exemplo, fundo até seu fim interior, 3000 km abaixo da superfície, se chega a um depósito de ferro-níquel de alta pressão com mais de 6500 km de diâmetro – um globo de metal em um cofre planetário com cerca de 160.000.000.000 quilômetro cúbicos de tamanho, envernizado com ouro e platina suficientes para revestir toda a superfície da terra até uma profundidade de meio metro. Para uma civilização exo-planetária moderadamente avançada, ponderar as praticalidades de sua primeira demolição em escala planetária, deixando esse tesouro enterrado de recursos no lugar tem um custo de oportunidade robótico-industrial que pode ser estimado, de maneira conservadora, na região de 1.6 x 10^23 inteligências de nível humano, um estoque mineral suficiente para manufaturar um trilhão de sondas auto-replicantes sencientes para cada estrela na galáxia. (Mesmo ardentes conservacionistas têm que reconhecer o quão delicioso esse bocado vai parecer.)

Decolagens, então, são meramente precursoras do primeiro platô sério de tecnologia antigravidade, que está orientado à tarefa mais profundamente produtiva de desmontar coisas a fim de converter esferas de massa comparativamente inertes em nuvens voláteis de substância cultural. Assumindo uma infraestrutura energética na fase de fusão, esse estágio inicial de desenvolvimento exo-planetário culmina no desmonte do sol, pondo termo ao processo nuclear absurdamente perdulário da sequência principal, recuperando suas reservas de combustíveis e, assim, fazendo a contribuição do sistema solar desperto para o escurecimento tecno-industrial da galáxia. (Pare de desperdiçar hidrogênio, e as luzes se apagam.)

Foque durante alguns segundos na irritabilidade econômica que surge da visão de um poço de petróleo expelindo gás natural por pura incompetência irracional, depois olhe para o sol. ‘Insustentável’ sequer chega perto de descrever isso. Claramente, esse maquinário energético é totalmente demente, equivalendo a uma orgia azathótica de fótons derramados. Todo o aparato precisa ser desmontado, através de uma cirurgia solar extrema. Uma vez que esse projeto ainda está por receber uma consideração sustentada, contudo, os detalhes específicos de engenharia podem ser seguramente colocados entre parênteses por enquanto.

A lógica inexorável da eficiência tecno-industrial, em seu vetor antigravidade, significa que a única motivação consistente para se deixar a terra é desmontar o sol (junto com o resto do sistema solar), mas isso não pega bem no sertão. Sem surpresas, portanto, aqueles sensibilizados pelas realidades políticas, percepções midiáticas e relações públicas estão inclinados a enfatizar outras coisas, retratando a terra como um destino para recompensas cósmicas ou – de maneira inada mais imediata – carne de porco suculenta financiada por impostos, em vez de como um problema de demolição complicado, mas altamente recompensador.

Conspicuamente ausente do debate público sobre o espaço, portanto, está qualquer admissão franca de que “(vamos encarar, pessoal) – os planetas são alocações ruins de matéria que realmente não funcionam. Ninguém quer lhes dizer isso, mas é verdade. Você sabe que respeitamos profundamente o movimento verde, mas quando saímos lá fora na rodovia principal do re-desenvolvimento do sistema solar, e certas atitudes ambientalistas muito rígidas e muito extremas – sobrevivencialismo gaiano, holismo terrestre, preservacionismo planetário, esse tipo de coisa – estão bloqueando o caminho adiante, bem, deixe-me ser bem claro sobre isso, isso significa empregos não sendo criados, empresas não sendo construídas, fábricas fechando no cinturão de asteróides, crescimento perdido. Manter a Terra inteira significa dólares pelo ralo – muitos dólares, seus dólares. Existem pessoas, pessoas sinceras, pessoas boas, que se opõem fortemente aos nossos planos de deliberadamente desintegrar a terra. Eu entendo isso, de verdade, eu entendo, sabe – honestamente – eu costumava me sentir dessa maneira também, há não muito tempo. Eu também queria acreditar que era possível deixar esse mundo inteiro, como ele tem estado por quatro bilhões de anos agora. Eu também pensava que as velhas maneiras provavelmente eram as melhores, que esse planeta era o lugar ao qual pertencíamos, que deveríamos – e poderíamos – ainda encontrar alguma alternativa a desmontá-lo. Eu lembro desses sonhos, de verdade, eu lembro, e eu ainda os mantenho junto do meu coração. Mas, pessoal, eles eram apenas sonhos, sonhos antigos e nobres, mas sonhos, e hoje eu estou aqui para lhes dizer que temos que acordar. Planetas não são nossos amigos. Eles são lombadas na estrada para o futuro, e nós simplesmente não podemos mais pagar por eles. Vamos salvá-los em formato digital, com respeito, sim, até mesmo com amor, e então vamos ao trabalho…” [Aplausos estrondosos]

Uma vez que, durante o atual estágio da ambição extraterrestre, o favorecimento de partidários do desintegracionismo cósmico não pode ser razoavelmente concebido como um vencedor infalível de eleições, é de se esperar que a retórica desse tipo tenha sido silenciada. Ainda assim, na ausência de uma visão dessas ou de um alinhamento consistentemente extrapolado com a antigravidade, o impulso exo-planetário está condenado a arbitrariedade, insubstancialidade e insinceridade de expressão. Ausente um sentido não comprometido de algo além, por que não ater a isso? O resultado tem sido, talvez previsivelmente, um reino de semi-silêncio sobre o tópico de projetos extraterrestres, mesmo em relação às suas variedades mais limitadas, imediatas e praticamente incontestáveis.

Se escapar da Terra – e do confinamento gravitacional em geral – não é um fim inteligível, mas apenas um meio, o que fornece a motivação? É nessa fenda de aspiração apertada e estranhamente deformada que o NewSpace deve se insinuar. Falar de ‘insinceridade’ pode parecer indevidamente severo – uma vez que não há nenhuma razão para suspeitar de fraude consciente, ou mesmo de ressalvas cuidadosamente calibradas, quando os defensores do NewSpace esboçam seus planos. Uma estrutura envolvente de implausibilidade, não obstante, se anuncia em cada projeto que é promovido, manifestada através da incomensurabilidade entre a escala do empreendimento e as recompensas que supostamente o incentivam. Turismo espacial, mineração de asteróides, experimentação e manufatura em microgravidade… sério? É genuinamente imaginável que essas parcas metas motivam de maneira final ou suficiente uma luta prolongada contra a armadilha gravitacional terrestre, em vez de servir como frágeis pretextos ou racionalizações para a busca de objetivos bem mais convincentes, embora nebulosos, inarticulados ou mesmo completamente insuspeitos?

Quando essa questão é estendida para trás, e para fora, ela ganha força. Estique-a de volta até a Lua, e até Marte, e a inferência se torna cada vez mais irresistível. Nenhuma dessas ‘missões’ fazia, ou fazem, qualquer sentido que seja, exceto na medida em que elas abreviam algum impulso mais amplo e não revelado. A atividade espacial não é o meio para um fim visado, mas o fim a ser promovido por uma sequência de missões, cujo conteúdo específico é, portanto, derivado e vazio de significância intrínseca. Uma vez que o ímpeto para fora decai, não deixando nada além de um destino extraterrestre arbitrário para representá-lo, o absurdo puro que rapidamente é exposto extingue as últimas brasas cintilantes de motivação popular. Quatro décadas de niilismo lunar atestam isso abundantemente.

Embora a privatização parcial da atividade espacial (o ‘NewSpace’) desloque de maneira criativa o problema do propósito, ela não o dissipa de maneira radical. Em certo grau, o NewSpace substitui por motivações econômicas de operadores privados díspares a justificação política de uma burocracia pública concentrada e, ao fazê-lo, alivia a pressão de se manter objetivos coerentes, comunicáveis e consensuais. Ambições espaciais são liberadas para entrar no terreno fragmentado e competitivo da idiossincrasia, da variedade, da experimentação e até mesmo da frivolidade financiada de maneira pessoal. Poderia até se pensar que a seriedade se torna opcional.

Quando examinado de maneira mais obstinada, contudo, é claro que o problema básico persiste. O poço de gravidade terrestre produz uma cisão entre a superfície da terra e a ‘órbita’ (ou além), e o capital privado não é menos severamente divido por esse cisma do que as ferragens ‘públicas’ do Estado-Foguete. Embora conversível temporariamente em formas de valor inerte e armazenado, o capital é um fenômeno essencialmente moderno, nascido na revolução industrial e tipicamente definido pelo desvio do consumo imediato para a produção ‘indireta’, ou seja: maquinário. Ele é reproduzido, ou acumulado, ao circular por entre máquinas, ou aparatos, e é sobre isso que o poço gravitacional compele uma decisão: o capital do NewSpace deve ser investido, inequivocamente, no espaço?

Um programa espacial sério é, de maneira fundamental e irredutível, um processo de evacuação terrestre. Ele requer a realocação (ou des-locação) consistente de empreendimentos, recursos e capacidades produtivas da terra para o espaço, pelo menos até que o limiar de autocatálise extraterrestre seja alcançado, ponto no qual uma quebra é realizada e um economia exo-planetária autônoma é estabelecida. Quaisquer que sejam as oportunidades de ofuscação (que provavelmente são consideráveis), a decisão básica permanece sem ser afetada. O acúmulo de uma fortuna terrestre não é de forma alguma o mesmo que o investimento sustentado em uma infraestrutura industrial exo-planetária e, na verdade, é quase certamente economicamente inconsistente com ele. Ou as coisas estão sendo transferidas para o espaço, de maneira irrevogável, ou não.

[pausa para o bolo lunar]

Original.

A Tentação do Vazio (Parte 2)

As coisas certas em bruto

… é importante entender o que a Apollo foi, e o que não foi. Ela foi uma vitória na Guerra Fria contra os soviéticos, mas, uma vez que estávamos em guerra, a lutamos com uma empresa socialista de estado. O que ele não foi é o primeiro passo na abertura da fronteira para a humanidade e, na verdade, ela foi um falso começo que criou um modelo para a NASA e um ritmo no qual estamos presos há mais de quatro décadas, com muitos bilhões gastos e pouco progresso útil.
Rand Simberg

A abertura do oeste americano nas primeiras décadas do século XIX e a abertura da fronteira espacial nessas primeiras décadas do século XXI são muito similares.
Mike Snead

O fascismo faz nossas cabeças girarem, o que é lamentável, porque a incapacidade de olhar inabalavelmente para o modelo dominante de “terceira via” da economia política (o nacionalismo corporativo) torna a história do último século ininteligível. Para historiadores amadores, cair rapidamente nos Nazistas Lunares é simplesmente inevitável.

SS Sturmbannführer Wernher von Braun, vice-administrador associado de planejamento na sede da NASA, Washington DC (1970-2), ajuda na introdução. Diretor técnico do programa de foguetes nazi em Peenemünde, que culminou na criação do míssil balísitico A-4 (V-2), von Braun foi trazido à América em 1945 como o prêmio máximo da Operação Paperclip. Sua contribuição para o desenvolvimento de foguetes nos EUA, de Redstone até à Apollo (e à lua), foi central e indispensável. O Socialismo da NASA nasceu no Lado Escuro da Lua. (Este provavelmente não é o momento certo para se aprofundar muito no território de Pynchon mas, grosso modo, é onde estamos.)

Se fascismo soa demasiadamente duro, uma terminologia mais confortável é de fácil alcance. ‘Tecnocracia’ será suficiente. O nome é menos importante do que os fundamentos, que já estavam claramente formulados na obra de um imigrante alemão anterior aos Estados Unidos, Friedrich List, que devotou um livro influente a esboçar The National System of Political Economy (1841) (“O Sistema Nacional de Economia Política”, sem tradução para o português). De acordo com List, o ‘cosmopolitismo’ da economia política mainstream (smithiana) não prestava atenção suficiente ao interesse coletivo nacional. O desenvolvimento industrial era importante demais para ser entregue à interação de agentes econômicos privados, e deveria, ao contrário, ser considerado um imperativo estratégico, dentro do contexto da competição internacional. Somente aproveitando o poder do Estado para regular o comércio, fomentar as indústrias modernas e impulsionar o desenvolvimento de infraestruturas críticas, um país pode esperar avançar seus interesses na arena internacional. O desenvolvimento era guerra por outros meios e, às vezes, pelos mesmos.

Quando ardentemente adotadas por Henry Clay, que conectou as idéias de List com a tradição fundadora de Alexander Hamilton, essas idéias se tornaram a base do Sistema Americano. O nacionalismo econômico deveria ser perseguido ao longo do caminho triplo do comércio administrado (tarifas), finanças controladas pelo estado (banco central) e desenvolvimento de infraestrutura dirigido pelo estado (especialmente sistemas de transporte). Tais políticas já eram ‘progressistas’ ou fascistas, na medida em que subordinavam os interesses econômicos privados-cosmopolitas aos propósitos nacionais, mas isso ocorreu de maneira flexível, sem as incrustações mais recentes da guerra de classes anti-empresarial, dos gastos em larga escala com direitos ou do policiamento cultural catedralista. O capitalismo deveria ser conduzido, e até mesmo promovido, em vez de ordenhado, deliberadamente arruinado ou substituído. Devido a sua direção patriota, seu elitismo e sua afinidade com a militarização, esse progressismo tecnocrata poderia ser facilmente entendido como um fenômeno da ‘direita’ ou, pelo menos (nas palavras de Walter Russell Mead) do “Establishment Bipartidário”.

A Apollo exemplificava perfeitamente o progressismo tecnocrata americano na tradição teutonizada e neo-hamiltoniana. Um pequeno passo para um homem, e um salto substancial para a humanidade, ela foi um salto em altura colossal para o Leviatã dos EUA, marcando um triunfo inequívoco na competição estrutural com sua principal rival geo-estratégica e ideológica. O programa Apollo não era exatamente parte da corrida armamentista de mísseis balísticos com a União Soviética, mas estava próximo o suficiente para contribuir para com seu propósito simbólico e dissuasor sobre a psicologia das massas. Pousar um homem na lua era um tipo de exagero, em relação a pousar uma bomba nuclear em Moscou, e expressava uma capacidade superabundante de entrega de carga que havia ganho uma guerra de mensagens.

Em um artigo originalmente publicado no The American Spectator (10 de novembro de 2010), Iain Murray e Rand Simberg descrevem a corrida lunar como a Fronteira Final do Governo Grande, observando que:

Há algo sobre a política espacial que faz com que os conservadores esqueçam seus princípios. Apenas uma menção da NASA, e os conservadores estão bastante felizes em deixar seus instintos de governos pequenos na porta e votar a favor de programas governamentais massivos e duras regulamentações que sufocam as empresas privadas.

Eles concluem:

É hora dos conservadores reconhecerem que a Apollo acabou. Devemos reconhecer que a Apollo era um programa governamental monopolista centralmente planejado por alguns empregados do governo, a serviço da propaganda da Guerra Fria e que, portanto, era em si uma afronta aos valores americanos. Se queremos explorar seriamente e potencialmente tirar proveito do espaço, precisamos aproveitar as empresas privadas e impulsionar as tecnologias realmente necessárias para se fazer isso.

Ao passo em que seria inutilmente perturbador traduzir isso como um chamado pela desnazificação do espaço sideral, seria igualmente enganoso não lê-lo como nada do tipo. A tecnocracia progressista, em uma gama de sabores nacionais, é a única política espacial efetiva que o mundo jamais viu e é bem mais provável — no curto prazo — que ela seja modernizada do que radicalmente suplantada. O desenvolvimento espacial apresenta um desafio coletivo tão imenso que suga até conservadores orientado à liberdade, como Simberg, a uma acomodação com o estado ativista, catalítico e neo-hamiltoniano. Pelo menos inicialmente, não há simplesmente nenhum outro lugar onde o maquinário barulhento do Leviatã esteja mais em casa.

A cultura popular pegou bem isso. Entre as muitas razões para a recepção extática do Alien (1979) de Ridley Scott estava a apreciação por seu retrato tonal ‘realista’ da atividade espacial prática. Ciência e comércio desempenhavam suas partes, mas a vanguarda era dominada por metal pesado semi-militar, financiado por orçamentos massivos, embasados em objetivos estratégicos solenemente obscuros, dirigidos e operados por tipos duros, obedientes e com cortes militares, que faziam o que fosse necessário para conseguir realizar tudo. Invadir a fronteira profunda exigia um seriedade rígida e blindada que os civis nunca entenderiam direito.

Quando repentinamente despojado de seu contexto na Guerra Fria, a guerra indireta do estado-foguete perdeu motivações coerentes e imediatamente se desviou do curso em direção a pseudo-objetivos cada vez mais ridículos. Nos anos finais do século 20, toda a pretensão de um grande impulso para fora tinha sido dissipada entre manutenção de satélites mercantis na OBT, projetos científicos pouco convincentes em gravidade zero, diplomacia ritualística sobre a estação espacial, RPs sobre astronautas multiculturais e mesmo esquemas cínicos de trabalho inútil para técnicos ex-soviéticos perigosamente competentes. A ciência inteligente continuou, embasada em sondas robóticas e telescópios espaciais, mas nada que sequer sugerisse um ímpeto em direção à colonização espacial, ou sequer uma nave tripulada, e ela tipicamente aconselhava contra isso de maneira explícita. Apesar do bem real heroísmo das ‘coisas certas‘, colocar pessoas no espaço era um ato circense e talvez sempre tivesse sido.

O que quer mais que o espaço sideral possa ser, ele é um lugar onde a direita fica esquizóide, e quanto mais se pensa sobre isso, mais irregular a divisão. A ‘imagem’ aparentemente simples, dinâmica-tradicional e extremamente estimulante da fronteira ilumina esse ponto. A fronteira é um espaço de autoridade formal atenuada, onde processos empreendedores ‘de cima para baixo’ de formação social e esforço econômico são cultivados em meio a ‘individualistas grosseiros’ arquetípicos, sua afinidade com impulsos libertários tão estreita que ela estabelece o modelo (‘homesteading‘) de direitos naturais de propriedade e, ainda assim, de maneira igualmente inegável, ela é uma zona de guerra selvagem e informal, aberta como uma decisão política, pacificada através da incessante aplicação da força e desenvolvida como um imperativo estratégico, no interesse da integração territorial-política. Ao fugir do estado, na direção da fronteira, o colonizador ou colono estende o alcance do estado em direção à fronteira, trazendo-o para fora e elevando sua ferocidade, ou encrespando-o. O caminho da fuga anti-governamental se confunde com uma correspondente expansão, endurecimento e re-feralização do estado, conforme a cavalaria aprende com os índios, em um lugar sem regras. Aí chega a ferrovia. The Moon Is a Harsh Mistress encontra Starship Troopers.

“Uma estratégia para se alcançar benefícios econômicos a partir do espaço deve envolver tanto o governo quanto a indústria, como o fez o desenvolvimento do oeste americano”, argumenta Martin Elvis, e ninguém discorda de maneira séria. Quando quer que o realismo seja priorizado no horizonte extraterrestre, alguma variante do progressismo tecnocrata duro-e-sujo sempre está esperando na plataforma de lançamento, pronta para colocar negócios exo-planetários nos ombros de impulsionadores patriotas de primeiro estágio financiados pelo estado. A desnazificação precipitada é estritamente para molengas presos à terra Os cabos de arranque neo-hamiltonianos funcionam bem demais para se abandonar. Como de costume, Simberg [expressa isso da melhor forma:

Os Estados Unidos deveriam se tornar uma nação espacial, e líderes de uma civilização espacial.

Isso significa que o acesso ao espaço deveria ser quase tanto uma rotina (se não exatamente tão barato) quanto o acesso aos oceanos, e com leis e regulamentações similares. Isso significa milhares, ou milhões, de pessoas no espaço — e não apenas empregados do governo escolhidos a dedo, mas cidadãos privados que gastam seu próprio dinheiro com seus próprios propósitos. Isso significa que deveríamos ter a capacidade de detectar um asteróide ou cometa vindo na direção da Terra e desviá-lo em tempo hábil. Similarmente, significa que deveríamos ser capazes de minerar asteróides ou cometas por seus recursos, para uso no espaço ou na Terra, potencialmente abrindo novas riquezas para o planeta. Significa que deveríamos explorar o sistema solar da maneira que o fizemos no Oeste: não enviando pequenos times de exploradores do governo — Lewis e Clark eram a exceção extrema, não a regra — mas por ter muitas pessoas vagando e observando o próximo riacho em busca de aventura ou lucro.

Deveríamos ter uma exploração massivamente paralela — e não apenas exploração, mas desenvolvimento, da maneira em que isso funcionou em toda fronteira anterior.

O que nos traz ao ‘NewSpace’…

[A seguir]

Original.