Observe esse espaço

shanzhai 0

Hacked Matter sobre a próxima onda de eletrônicos shanzhai:

O Ciberespaço, tanto como palavra quanto como visão, entrou no léxico popular através do romance cyberpunk Neuromancer de William Gibson em 1984. Mas, como se vê, Gibson não estava interessado na Internet até que começou a comprar relógios no Ebay. Em um artigo de 1999 na Wired, ele detalha seu vício compulsivo em fazer ofertas por relógios mecânicos antigos — o que Gibson chama de "finos fósseis de uma era pré-digital". Mal sabia Gibson que, trinta anos depois de Neuromancer, relógios e o ciberespaço se fundiriam — não apenas porque agora é comum comprar relógios online, mas também graças aos "smart watches" que devem se tornar o mais recente portal para o ciberespaço.


Original.

Acelerado

[#Acccelerate#]: the accelerationist reader, publicado pela Urbanomic (em colaboração com a Merve Verlag) saiu. O livro contém uma mistura de materiais de pano de fundo e outros bastante recentes – alguns deles ainda pouco familiares para mim. (É cedo demais, nesse ponto, para prever se o dispositivo de branding com hastags vai aderir de maneira mais firme ao livro ou ao molho picante.) Inicialmente proposto apenas no começo de 2014, todo o projeto foi executado com impressionante — e, claro, apropriada — rapidez.

#Accelerate# cover

Aqui é o lugar para comprá-lo.


Original.

China, Cripto-Moedas e a Ordem Mundial

Países emissores de moedas de reserva são constantemente confrontados com o dilema entre alcançar suas metas domésticas de política monetária e atender à demanda por moedas de reserva dos outros países. […] O Dilema de Triffin, isto é, os países emissores de moedas de reserva não conseguirem manter o valor das moedas de reserva enquanto fornecem liquidez para o mundo, ainda existe. —Zhou Xiaochaun

Chinese woman holding a gold bar

O que as tecnologias da energia à vapor foram para a época de dominância global britânica, e os desenvolvimentos de mão dupla da eletricidade e do automóvel para a subsequente Era Americana, a eletrônica digital — e, mais especificamente, a Internet — são para a "ascensão da China" e para o mundo remodelado que ela epitoma. É apenas de se esperar, portanto, que a intersecção entre a Nova China da Abertura-e-Reforma pós-1979 e a Internet possibilitada pela World Wide Web pós-1990 seja um objeto de particular fascínio internacional e de preocupações práticas.

Desde a aurora da época moderna, a hegemonia geopolítica tem sido associada cada vez mais intensamente à liderança tecno-econômica, o que, por sua vez, tem se refletido no status de reserva internacional de uma seleta moeda nacional. Uma ordem monetária mundial cada vez mais explicitamente formalizada tem convertido intuições convincentes, mas obscuras, de prestígio nacional relativo em uma sistema inequívoco de relações financeiras, no qual uma posição de supramacia é claramente estabelecida, com um papel definido e singular.

As suspeitas fomentadas pela liderança não são menos inevitáveis do que a liderança em si. Por razões históricas facilmente inteligíveis, o establishment político francês tem sido um crítico especialmente vociferante do status de reserva internacional e de seu "privilégio exorbitante"[1] de senhoragem — o ‘direito’ espontâneo de emitir papéis promissórios em troca de bens e serviços reais, sem qualquer prospecto definido de resgate. Pode haver pouca dúvida de que tal crítica articula preocupações amplamente mantidas para além do mundo anglófono, e sua substância merece uma exame sério.

Chinese woman holding a gold bar 2

Dos blocos construtivos indispensávels para o futuro próximo, a China e a Internet têm uma proeminência especial. Há inúmeros lugares em que a China encontra a Web, começando com o crescimento expansivo, multidimensional e explosivo da Internet chinesa em si. O Bitcoin é um fio recente e ainda relativamente esguio na tapeçaria da mudança global, mas ao se puxar ele, algumas características centrais do mundo emergente podem ser colocadas em foco.

Em meio às características que o yuan chinês e o bitcoin compartilham é que nenhum deles é o dólar dos EUA. Especificamente, ambos são alternativas limitadas e, contudo, práticas, ao dólar, pelo menos no nível de tomada de decisão microeconômica. Quando se levantam questões sobre a durabilidade do papel internacional do dólar, pode-se prever com confiança que um ou ambos desses desafiantes será invocado. O dólar morrer por gelo ou fogo, hoje, é ele sucumbir a uma substituição geopolítica (pelo yuan chinês) ou a uma obsolescência tecno-financeira (por parte de alguma cripto-moeda descentralizada, embasada na Internet).

O status internacional do dólar dos EUA concentra duas tendência multi-seculares. Primeiramente, ele representa a peculiaridade etno-geográfica da modernidade, que – até o final do século XX, pelo menos – tendeu a inclinar o poder global não apenas na direção do Oeste ou Ocidente, mas mais especificamente em direção às nações do Atlântico Anglófono, reúnidas, em última análise, sob a liderança americana. Desde o declínio do dólar espanhol, que monetizou o tesouro do Novo Mundo como a primeira moeda global, as finanças internacionais têm sido principalmente denominadas na moeda de uma nação falante do inglês. Não coincidentemente, elas têm, assim, sido fortemente associada a um conjunto de temas culturais específicos, que incluem o cristianismo protestante (filo-semítico), a mão invisível, o livre comércio e a democracia liberal. A institucionalização das finanças mundiais tem estado intimamente conectada com a promoção de uma orientação cultural distinta – e, para muitos, uma que é distintamente questionável.

Em segundo lugar, a formalização de uma ordem monetária global tem sido acompanhada por uma politização incremental do dinheiro, ou seja, pela consolidação de uma política monetária como uma função central do governo. Com o estabelecimento dos bancos centrais e a desmetalização da moeda, a escassez intrínseca é substituída por uma "promessa de pagar" institucional, o que converte o dinheiro de um ativo tangível para uma responsabilidade contratual. A confiança pública no valor do dinheiro é convertida em uma responsabilidade governamental. Torna-se política, e – no contexto de uma moeda de reserva mundial – geopolítica.

Em combinação, essas tendências são inevitavemente provocativas, uma vez que concentram o destino financeiro do mundo em mãos seletas e identificavelmente não-representativas. Por trás da neutralidade estudada das instituições de Bretton Woods (o FMI e o Banco Mundial) está o dólar dos EUA como o símbolo de excepcionalismo americano e da pecualiaridade concreta da ordem mundial moderna.

Embora seja natural — e até mesmo inevitável — que o comando político da moeda de reserva internacional seja entendido como a pedra angular moderna da hegemonia geopolítica, esse não é um privilégio que se pode separar de penosas responsabilidades, ou de profundas ambiguidades. Estas foram claramente reconhecidas desde os anos 1960, quando o economista belga-americano Robert Triffin formulou o paradoxo ou dilema que leva seu nome: que se governos internacionais forem acumular reservas na moeda de uma nação selecionada, essa nação deve necessariamente ser uma exportadora líquida de dinheiro — o que só pode ser alcançado ao se operar com uma balança comercial negativa. Uma nação que emita uma moeda de reserva internacional assume a responsabilidade pela liquidez monetária global. Isso a obriga a consumir mais do que produz, a fim de que a diferença seja disponibilizada como dinheiro mundial. Embora esse requisito seja mera senhoriagem, visto pelo outro lado, a restrição que ele impõe às opções da política econômica doméstica são tão estritas que equivalem quase a um destino.

Chinese woman holding a gold bar 3

Essas restrições são transformadas em um dilema destrutivo pelo fato de que a estrutura política obrigatória exigida para suprir o mundo de liquidez tende a destruir a confiança na moeda ao mesmo tempo, minando, portanto, o seu valor. Déficits crônicos na balança de pagamentos sinalizam fraqueza da moeda, pois normalmente seriam interpratados como um sinal de que a moeda está supervalorizada (ou que necessita de desvalorização). Para o emissor de uma moeda de reserva global, contudo, respostas políticas convencionais a essa situação estão bloqueada em ambas as direções, uma vez que ele não pode nem tomar medidas para fechar o déficit, tampouco tentar fortalecer a moeda através da elevação de taxas de juros. Uma vez que para o emissor de uma moeda de reserva o déficit comercial é uma constante, em vez de uma variável, uma desvalorização meramente incita uma competitiva destruição monetária mundial. Medidas de fortalecimento, por outro lado, trazem dinheiro do exterior (demonominado na moeda internacional) e, assim, expandem ainda mais a demanda por emissão, que só pode ser satisfeita com uma ampliação do déficit comercial.

Em outras palavras, o Dilema de Triffin reconhece que a demanda internacional por uma moeda de reserva é inerentemente paradoxal. O que se busca é a moeda como se ela não fosse suprida através de desequilíbrios comerciais crônicos, e, no entanto, esses mesmos desequilíbrios são o único canal através do qual ela pode de fato ser suprida.

A "Chimérica" exemplifica perfeitamente as características essenciais da situação. Os dois trilhões de dólares americanos de reservas da China correspondem a um excedente cumulativo na balança de pagamento precisamente da mesma soma, uma vez que isso é simplesmente o que são as reservas. Quando percebida de maneira apreciativa — o que era bem mais fácil nas décadas finais do século XX do que nas primeiras décadas do século XXI — a Chimérica tem sido um arranjo econômico complementar, através do quala América alcançou altos níveis de consumo acoplados a uma inflação de preços contida, ao passo em que a China realizou um desenvolvimento econômico orientado a exportações e à modernização revolucionária que a eludiu durante 150 anos. Para olhos mais invejosos, o mesmo arranjo é uma armadilha que casou a desindustrialização americana com a devastação ambiental chinesa, ao passo em que alimentava uma incontinência fiscal insustentável na América e uma bolha de investimentos chinesa. Qualquer das duas imagens que tenha maior realismo, provavelmente pode-se concluir com segurança que a dissimetria imposta por uma moeda de reserva internacional tem consequências extensas e ambíguas.

Cinicamente, seria possível argumentar que o aspecto tributário de um status de moeda de reserva é coincide perfeitamente com profundas tradições chinesas nas relações internacionais, de modo que uma ascenção ao privilégio exorbitante embasado no yuan seria uma meta geopolítica natural para o Reino do Meio, conforme ele restaurasse sua posição central no mundo. De maneira mais realista, contudo — pelo menos no curto prazo — é um reconhecimento de que a perda do controle sobre a política econômica doméstica é uma consequência inevitável e bem entendida da hegemonia monetária global, e uma que o governo chinês certamente achará inaceitável. Quaisquer que sejam os custos (primariamente ambientais) associados com o papel de "fábrica do mundo", eles são imensamente compensados, da perspectiva chinesa, pelas vantagens. É do lado tributário do resgistro da moeda internacional de reserva, no qual a China esteve por mais de quatro décadas, que todos os vetores cruciais de desenvolvimento são encontrados — absorção tecnológica, aprofundamento da infraestrutura, industrialização, urbanização, emprego e até mesmo capacidade militar.

Se a Chimérica está sendo demolida, isso tem bem menos a ver com qualquer tipo de desafio chinês — mesmo um que seja espontâneo e não intencional — do que com uma estrutura trágica inerente à hegemonia monetária. Assim como a hubris leva à nemesis, igualmente o privilégio monetário exorbitante leva à crise, e até mesmo à ruína. Nos antecedentes tanto espanhol quanto britânico, a supremacia financeira se tornou auto-derrotadora, porque exportar dinheiro (em vez de coisas) dava uma vantagem diferencial para competidores industriais, fixando o declínio social secular. Não há nenhuma razão convincente para se acreditar que a América tenha se isentado do mesmo padrão agourento.

Em 29 de março de 2009, na esteira da crise financeira, Zhou Xiaochaun, governador do Banco Popular da China, fez um importante discurso entitulado "Reform the International Monetary System" ("Reforme o Sistema Monetário Internacional", em tradução livre). Ele se referiu explicitamente ao Dilema de Triffin como a chave para se entender a instabilidade econômica do mundo, ao passo em que sugeria que uma mudança para além da hegemonia do dólar dos EUA seria, em última análise, necessária para remediá-la. A este respeito, sua palavras se conformaram a uma tradição que remonta a mais de meio século, até às negociações do Bretton Woods, quando John Maynard Keynes recomendou a introdução de um meio monetário global neutro — a ser chamado de bancor — que tornasse a oferta de liquidez global independente de moedas nacionais.

Historicamente, moedas de reserva internacional não surgiram de propósito. Seria possível argumentar, portanto, que o bancor keynesiano era um remendo tecnocrático irrealista, cego ao impulso espontâneo que já havia tornado o mundo dolarizado um fato não negociável, mesmo antes que os procedimentos de Bretton Woods tivessem começado. Isso não impediu que a mesma ideia básica reemergisse de formas diferentes, a mais proeminente das quais são os DESs (Direitos Especiais de Saque) do FMI, regularmente propostos como o embrião de uma moeda internacional neutra. Foi ainda para os DESs que Zhou se voltou quando buscava por um candidato para uma moeda mundial neutra.

Talvez alguma solução tecnocrática para o problema da hegemonia monetária venha ser finalmente encontrado, mas em caso positivo, ele marcaria um afastamento sem precedentes da história financeira mundial. Se, como tem sempre sido o caso até o momento, marés econômicas para além do controle político devam determinar tais resultados, é compreensível que a atenção deva flutuar em direção ao yuan chinês como eventual substituto para o dólar dos EUA. No entanto, as lições da história estão disponíveis para os formuladores de políticas, mesmo quando a lição mais insistente diz respeito a limitações à sua própria influência e, nesse caso, a principal delas é de que o prospecto de um yuan com status de reserva internacional apresenta à China um cálice envenenado. É muito improvável que ele seja aceito de bom grado.

Alguma evolução espontânea alternativa na natureza do dinheiro poderia levar esse dilema geopolítico crítico em uma nova direção? Tal evolução parece estar ocorrendo, simbolizada pelo bitcoin, o primeiro exemplo na história de uma cripto-moeda digital descentralizada. Para a China, o bitcoin — ou algo comparável a ele — poderia ser a única maneira de se evadir de uma suposição de privilégio econômico global cuja essência é uma ruinosa hubris.

Como o rei sagrado de James Frazer, que é coroado afim de ser sacrificado, o significado interior da hegemonia monetária é destruição econômica e social. A China estende isso bastente claramente e, conforme a era do dólar chegue a um fim, ela está buscando uma saída. É assim que a estória da China e do bitcoin realmente começa.


Notas

[1] Cunhado por Valéry Giscard d’Estaing, durante seu serviço como ministro de finanças francês na década de 1960. Vide: http://www.j-bradford-delong.net/movable_type/2005-3_archives/000397.html (acessado em 29 de abril de 2014).


Original.

Mente de Twitter (+1)

Dead Twitter

Pesquisar "o Twitter está morto" no Google gera quase dois bilhões de resultados, o que não é uma indicação óbvia de vitalidade. Adrienne LaFrance e Robinson Meyer, escrevendo no The Atlantic, sobrecarregaram o meme com seu ‘encômio’ para a plataforma, que a descrevia como "tendo entrado em seu crepúsculo" conforme as tensões em seu "inerente (e explícito) mercado de atenção" foram expostas.

Desde o princípio, havia alguns preceitos úteis em que aqueles de nós que se obcecavam com a plataforma tinham que acreditar. Primeiro, você tinha que acreditar que alguma outra pessoa lá fora estava prestando atenção, ou melhor, que uma porção significativa – não só 1 ou 2% – dos seus seguidores poderiam ver seu tweet. Segundo, você tinha que acreditar que fazer tweets habilidosos e convincentes aumentaria seu número de seguidores. Terceiro, você tinha que acreditar que havia uma audiência útil que você não podia ver, para além da sua linha do tempo – um grupo que você poderia querer seguir um dia.

LaFrance e Meyer não chegam à acusação de ‘Ponzi’, ela está implícita. Ao prometer um crescimento explosivo e distribuído de audiência, o Twitter encoraja reivindicações impossíveis sobre um reservatório global de atenção já sob pressão, como se todo mundo fosse capaz de abocanhar pedaços cada vez maiores do tempo das outras pessoas. A atenção sofre uma desvalorização inflacionária, e uma subsequente implosão, conforme a bolha colapsa em um pântano de desilusão, em meio a uma enchente de "spam … pontuações de popularidade artificialmente infladas" e robôs falsos para acariciar os egos.

Há um argumento positivo a favor do Twitter que contorna esse diagnóstico, mas um engajamento mais revelador o abraçaria. O pressão sobre a atenção dramatizada pelo Twitter é a maneira específica em que nosso ‘choque de futuro‘, há muito esperado, finalmente chega, impelindo sistemas humanos legados – biológicos, psicológicos e sociais – até seus limites de velocidade. A "Sobrecarga de Informação" é formatada para a Linha do Tempo do Twitter, como densidade de mensagens ou um fluxo de estilhaços. Se há confusão sobre o que o Twitter é em última análise, isso se deve pelo menos em parte às correntes que correm por ele surgirem em outro lugar – a magnitude é a mensagem.

Splinter Twitter

O que quer que tenhamos pensado que seria a aparência do choque do futuro, graças ao Twitter estamos sendo informados. É uma crise do tempo, personalizada como uma inundação parcialmente navegável. Para além de todas as questões fáceis de utilidade para o consumidor, o que está sendo encontrado é algo histórico, planetário – até mesmo cósmico – e está esperando para nos submergir, o que quer que façamos. Simplesmente, há coisas demais entrando. Independente da maneira em que vamos nos ‘ajustar’ a isso, a hora de começar é agora.

Twitter Evo

(As primeiras observações do UF sobre a Mente do Twitter estão aqui.)


Original.