Yo

(Isso é tudo.)

ADICIONADO: Marc Andreessen explica.

ADICIONADO: "Yo encarna a definição de [Jodi] Dean do capitalism comunicativo: é uma plataforma que elimina a mensagem em favor da pura circulação."


Original.

Viés Verbal

É muito fácil pros tipos limitados às palavras se esquecerem do que a Internet é feita:

Impressões de fotos chegaram ao seu pico em (digamos) 80bi ou algo assim em 1999.
Compartilhamentos anualizados no FB + WhatsApp + IG + SC = mais de meio trilhão anualizados.
Filmes já foram um quarto da demanda por prata do mundo.

É o mesmo argumento que aparece em uma pesquisa recente de Nellie Bowles sobre o ‘momento‘ da tecnologia em LA:

"Os americanos assistem 5.3 horas de televisão por dia, e eles leem menos de meia hora", o VC Mark Suster me contou mais tarde. "Quer você goste ou não, você não vai mudar os padrões de consumo das pessoas de modo dramático. Se você aceitar essa premissa, então você tem que aceitar que Internet vai se tornar uma grande plataforma de vídeo, e LA vai ganhar."


Original.

Mente de Twitter (+1)

Dead Twitter

Pesquisar "o Twitter está morto" no Google gera quase dois bilhões de resultados, o que não é uma indicação óbvia de vitalidade. Adrienne LaFrance e Robinson Meyer, escrevendo no The Atlantic, sobrecarregaram o meme com seu ‘encômio’ para a plataforma, que a descrevia como "tendo entrado em seu crepúsculo" conforme as tensões em seu "inerente (e explícito) mercado de atenção" foram expostas.

Desde o princípio, havia alguns preceitos úteis em que aqueles de nós que se obcecavam com a plataforma tinham que acreditar. Primeiro, você tinha que acreditar que alguma outra pessoa lá fora estava prestando atenção, ou melhor, que uma porção significativa – não só 1 ou 2% – dos seus seguidores poderiam ver seu tweet. Segundo, você tinha que acreditar que fazer tweets habilidosos e convincentes aumentaria seu número de seguidores. Terceiro, você tinha que acreditar que havia uma audiência útil que você não podia ver, para além da sua linha do tempo – um grupo que você poderia querer seguir um dia.

LaFrance e Meyer não chegam à acusação de ‘Ponzi’, ela está implícita. Ao prometer um crescimento explosivo e distribuído de audiência, o Twitter encoraja reivindicações impossíveis sobre um reservatório global de atenção já sob pressão, como se todo mundo fosse capaz de abocanhar pedaços cada vez maiores do tempo das outras pessoas. A atenção sofre uma desvalorização inflacionária, e uma subsequente implosão, conforme a bolha colapsa em um pântano de desilusão, em meio a uma enchente de "spam … pontuações de popularidade artificialmente infladas" e robôs falsos para acariciar os egos.

Há um argumento positivo a favor do Twitter que contorna esse diagnóstico, mas um engajamento mais revelador o abraçaria. O pressão sobre a atenção dramatizada pelo Twitter é a maneira específica em que nosso ‘choque de futuro‘, há muito esperado, finalmente chega, impelindo sistemas humanos legados – biológicos, psicológicos e sociais – até seus limites de velocidade. A "Sobrecarga de Informação" é formatada para a Linha do Tempo do Twitter, como densidade de mensagens ou um fluxo de estilhaços. Se há confusão sobre o que o Twitter é em última análise, isso se deve pelo menos em parte às correntes que correm por ele surgirem em outro lugar – a magnitude é a mensagem.

Splinter Twitter

O que quer que tenhamos pensado que seria a aparência do choque do futuro, graças ao Twitter estamos sendo informados. É uma crise do tempo, personalizada como uma inundação parcialmente navegável. Para além de todas as questões fáceis de utilidade para o consumidor, o que está sendo encontrado é algo histórico, planetário – até mesmo cósmico – e está esperando para nos submergir, o que quer que façamos. Simplesmente, há coisas demais entrando. Independente da maneira em que vamos nos ‘ajustar’ a isso, a hora de começar é agora.

Twitter Evo

(As primeiras observações do UF sobre a Mente do Twitter estão aqui.)


Original.

Alibaba

O Wall Street Journal produziu uma introdução excelente e cheia de gráficos à gigante chinesa do e-commerce, que conduziu US$240 bilhões em negócios online em 2013 (mais do que a Amazon e o E-Bay combinados). A definição informal no início explica porque você deveria se importar:

A Alibaba é maior empresa de comércio online da China – e, por algumas métricas, do mundo. Seus três principais sites – Taobao, Tmall e Alibaba.com – têm centenas de milhões de usuários e hospedam milhões de comerciantes e negócios. A Alibaba lida com mais negócios do que qualquer outra empresa de comércio eletrônico.

Espera-se que o IPO da Alibaba o valorize entre US$150 e 250 bilhões (colocando-a entre as dez empresas de tecnologia mais valiosas do mundo). A rapidez da mudança neste setor é difícil de compreender. Espera-se que o mercado de e-commerce chinês, hoje em US$300 bilhões, exceda US$700 bilhões em 2017.

ADICIONADO: Alguns antecedentes sobre o relacionamento Alibaba-Yahoo.

Original.

Filosofia em Gráfico

Como a filosofia se conecta? Simon Raper, no Drunks & Lampposts transforma essa questão em um problema prático de visualização. Quando reduzida a um gráfico, ela se parece com isso:

Philosophy Graph

(Clique para aumentar.)

Ao exibir a ‘história da filosofia’ como um conjunto de conexões simultâneas, ele faz um ponto sobre referência temporal que demandaria muitas palavras para se igualar.

Seria altamente intrigante ver este livro receber o mesmo tratamento.


Original.